Poesia

Atividades

Quadras de S. João elaboradas pelos utentes da Ass. Pôr do Sol

Neste dia de S. João
É preciso alho-porro e manjerico
Para o pobre e para o rico
E sardinha a pingar no pão

Oh meu rico S. João
Batizaste Cristo no Rio Jordão
Arranja-me uma mulher
Para confortar o meu coração.

Na noite de S. João
O meu balão vou soltar
Balão que fiz com as cores
De quem quero amar.

S. João das Fontainhas
S. João de alho – porro
S. João por ti choro
S. João por ti morro!

Balão vai subindo
Caindo à Garoa
O sol é tão lindo
A noite é tão boa
S. João, S. João
Acende a fogueira
Do meu coração!

Se fores ao S. João a Braga
Trazei-me um S. Joãozinho
Se não puderes com o grande
Traz-me um pequenino!

S. João para ver as moças
Fez uma fonte de prata
As moças que lá não vão
S. João tudo se mata.

Repenica, Repenica, Repenica
S. João a mijar em bica
Repapoila, Repapoila, Repapoila
S. João a mijar numa Caçoila

Fui ao S. João ao Porto
Do Porto fui ao Bonfim
Ai estava tudo abandeirado
Bandeiras de cetim!

Ai oh meu rico S. João
Ai, meu belo marinheiro
Ai, leva-me na tua Barca
Para o Rio de Janeiro

Oh meu rico S. João
A tua capela cheira
Cheira a cravos, cheira a rosas,
Cheira a flor de laranjeira.

Ai S. João adormeceu
No regaço de Maria
Ai acorda S. João acorda,
Ai acorda, é hoje o teu dia!

Quadras de S. Valentim elaboradas pelos utentes da Ass. Pôr do Sol

Rosa que estás na Roseira
Deixa-te estar que estás bem
Lá em cima ninguém te chega,
Debaixo não vai ninguém!

Bom dia meu amor
És tudo na vida para mim
Recebe muitos beijinhos
Neste dia de S. Valentim

Quem me dera dera dera
Estar sempre a dar a dar
Beijinhos às raparigas
E abraços até fartar.

Ora aperta amor aperta
Aperta a minha cintura
Este amor que sinto hoje
Só tem fim na sepultura.

O limão é fruta azeda
Tem um gosto singular
Quem namora um brasileiro
Não tem fraco paladar.

A videira dá-me um cacho
Silveira dá-me uma amora
Tanta moça bonita
E o meu pai nem uma nora.

O meu coração é um rio
Quando chora mete medo
Chora, chora coração
Vai regar o arvoredo.

Oh meu amor se queres uvas
Deixa cá o teu chapéu
Que as videiras ainda tem
Para ti, anjo do Céu!